Follow by Email

domingo, 14 de abril de 2013

A SEGUNDA REPORTAGEM SOBRE VITAMINA D, MAIS QUE INTERESSANTE.


Revertendo a esclerose múltipla com a paleodieta, aumentando a vitamina D e evitando aditivos artificiais

A esclerose múltipla é uma doença crônica, degenerativa dos nervos no cérebro e na colunapaleovertebral. A doença faz com que o corpo atacaque uma substância isolante em torno de células nervosas chamada mielina. Quando a mielina é danificada, a função dos nervos se deteriora, resultando em desequilíbrio muscular, fraqueza ou perda de coordenação, perda de visão e tremores. As pesquisas agora mostam que a doença pode ser revertida através da adoção da paleodieta (principalmente carne, vegetais e nozes), otimizando os níveis de vitamina D e evitando ingredientes artificiais, especialmente o aspartame.
Compreende-se agora que os fatores ambientais, nomeadamente a dieta, desempenham um papel importante no desenvolvimento da doença degenerativa. A paleodieta, consistindo de orgânicos, carnes alimentadas com capim, legumes, alimentos fermentados, e nozes, é repleta de nutrientes que protegem o sistema nervoso e imunológico. A paleodieta é rica em vitaminas do complexo B, iodo e ômega-3 os ácidos graxos ( EPA e DHA com base animal) que suportam a função mitocondrial e o crescimento e reparação da mielina.

O que acrescentar

Outro nutriente vital, a vitamina D, é fundamental não só para prevenir doenças do coração, câncer e outras doenças do estilo de vida, mas também para prevenção e cuidados da EM. Uma nova pesquisa mostrou que o mês do nascimento de um bebê, assim como os níveis de vitamina D da mãe estão envolvidos nos riscos futuros de EM na criança. O estudo demonstra que aqueles que nasceram após os meses de inverno, em abril ou maio foram significativamente mais propensos a ter a doença em relação àqueles que nasceram após os meses ensolarados do verão, em outubro ou novembro.
Este estudo, em conjunto com muitos outros estudos que confirmam o risco de EM diminui quanto mais próximo você viver do equador (e vice-versa), demonstram uma ligação entre os níveis de vitamina D e os riscos de desenvolvimento de esclerose múltipla. O mecanismo por trás dos efeitos protetores da vitamina D  estão relacionados com a sua regulação dos mensageiros químicos, citocinas, que modulam o sistema imunitário e inflamação no corpo.

O que remover

Enquanto suporta o corpo com todos os nutrientes benéficos, é igualmente importante se remover da dieta os aditivos artificiais, em especial o aspartame. O aspartame é constituído por ácido aspártico e uma molécula sintética fenilalanina ligada a um grupo metilo. O metanol é o que faz o gosto doce do aspartame. A ligação que mantém o grupo metilo à fenilalanina se rompe facilmente a temperaturas superiores a 85 graus. Uma vez separados, o metanol pode viajar dentro de qualquer célula do corpo. Em algumas células (como as células do coração e do fígado) ele pode, posteriormente, ser dividido em formaldeído, uma toxina que pode atravessar as barreiras sangue-cérebro e placentárias.
Álcool-desidrogenase é uma enzima que converte o metanol em formaldeído no citoplasma da célula. Isto pode acontecer até mesmo próximo ao núcleo, onde o formaldeído pode facilmente danificar o DNA. Cada animal tem estruturas celulares chamadas peroxissomos que quebram as moléculas tóxicas, como formaldeído, exceto para os seres humanos. Na verdade, apenas o álcool pode impedir a metabolização de metanol, sendo potencialmente correlacionado com estudos que demonstram o consumo moderado de álcool tem efeitos benéficos para a saúde. No entanto, ingestão de aspartame resulta em metanol e formaldeído tóxico no interior das células do cérebro e em todo o corpo, causando a destruição do sistema nervoso, tecido do cérebro e do sistema imunológico.
Todos os aditivos, edulcorantes, aromatizantes, conservantes, e corantes têm sido associados com distúrbios de saúde mental e do sistema nervoso, como a esclerose múltipla. Evitar alimentos processados ​​vai ajudar a reduzir os riscos da doença. Para aqueles com EM, evitando estes alimentos tóxicos, enquanto se alimenta com alimentos do tipo paleolítico e obtendo mais vitamina D ajudará a prevenir o desenvolvimento da doença e permitir que o corpo se cure naturalmente.
Referências

Nenhum comentário:

Postar um comentário